Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Viva Luisa Mell. Por Nilton Kasctin dos Santos (Promotor de Justiça e Professor).
24/07/2021 22:09 em Opinião. Por Nilton dos Santos

Numa operação policial há pouco tempo na região metropolitana de São Paulo, foram presos 20 homens no momento exato em que realizavam uma rinha de cachorros. No sítio onde acontecia essa inominável maldade contra os animais, encontrou-se um cenário macabro. Muitos animais lutando mesmo dilacerados e esvaindo-se em sangue. Foram treinados para isso pelos bandidos.

         Na churrasqueira ao lado, carne de cachorro assando. Dos que iam morrendo durante os violentos embates. Mesmo tendo os meliantes afirmado que a carne seria para dar aos cães de rinha, a fim de “instigar seu instinto de briga”, a polícia acredita que o churrasco seria consumido mesmo pelos humanos (humanos?) envolvidos na empreitada criminosa.

         E a polícia tem razão. Policiais experientes percebem e entendem como ninguém as entrelinhas de uma situação. Que cachorro iria ter vontade de comer naquela circunstância? Nervosos ao extremo, gravemente feridos, encharcados de sangue, pisando e rolando em poças de sangue dos “rivais”. Óbvio que cachorro nenhum iria comer numa hora dessas. Nem dali a uma semana.

         Antes que esqueça, meus sinceros parabéns às polícias do Paraná e de são Paulo pela brilhante iniciativa de investigar e prender esses psicopatas.

         E meu lamento porque já estão soltos. Por falta de lei adequada, por falta de interesse do Congresso Nacional em aumentar a pena para esse crime tão cruel. Mas certamente o Ministério Público irá ajuizar uma ação civil pública por dano moral coletivo, pedindo também ao Judiciário o confisco do sítio onde se realizava esse crime bárbaro.

         E o que a atriz Luisa Mell tem a ver com o fato?

         Ela acolheu os animais feridos. A ONG que ela dirige custeará o longo e dispendioso tratamento dos animais que, depois de reabilitados, serão disponibilizados para adoção. Trabalho tão importante quanto o da polícia, porém muito mais delicado e demorado. Sem falar na dificuldade que essas entidades do bem enfrentam para angariar recursos financeiros para custear ações importantes como essa. Principalmente no atual momento do País, em que o próprio Presidente da República despreza e ofende as ONGs, essas entidades indispensáveis à sociedade organizada.

         Marina Zatz de Camargo é o nome de batismo dessa mulher fantástica; Luisa Mell é nome artístico que adotou em homenagem à sua avó (Luisa), com a qual tinha grande apego.

         Luisa Mell é simplesmente brilhante. Culta e inteligente, é uma grande líder no sentido pleno da expressão, pois, mesmo nesses tempos de ódio na sociedade brasileira, tem conseguido com seu talento extraordinário congregar pessoas em torno de causas tão importantes como é a defesa dos animais.

         Por isso a chamo de líder. Explico melhor: liderança nada tem a ver com chefia, gerência, diretoria, comando ou cargo político. Isso tem a ver com instituições, coisas e dinheiro, apenas. Já liderança é a capacidade natural que tem uma pessoa de influenciar as outras para a prática do bem em favor de todos.

         Ser líder é exercer o mais importante dom divino: o dom de servir. E é isso que faz Luisa Mell. Assim, ela é ainda uma cristã verdadeira. Bem como Jesus queria. Veja se não tenho razão. Quando perguntaram a Ele quem é o maior no Reino de Deus, o Mestre respondeu: “O maior dentre vós será vosso servo” (Mt 23.11); “Eu sou como aquele que serve” (Lc 22.27); “Não vim para ser servido, mas para servir” (Mc 10.45; Mt 20.28).

         Servir sem esperar nada em troca. É isso que Deus quer de nós. É isso que a grande Luisa Mell vem fazendo há muitos anos.

         Para finalizar, não posso deixar de contar que eu e minha família dobramos o valor da contribuição em dinheiro que há tempo destinamos ao Instituto Luisa Mell.

         E convidamos a todos que gostam da Obra da Criação a fazer também a sua doação. É só acessar a internet https://ilm.org.br/ 

Por Nilton Kasctin dos Santos (Promotor de Justiça e Professor).

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!